Vereadoras querem acionar Edna por demissão de ex-servidora grávida | …

As vereadoras por Cuiabá Michelly Alencar (União Brasil) e Maysa Leão (Republicanos) prometeram solicitar anexação de uma nova denúncia contra a vereadora Edna Sampaio (PT) pela demissão sem motivo comprovado, de sua ex-chefe de gabinete, Laura Natasha Abreu, que está grávida.

Nesta quinta-feira (22), Laura relatou que no início da gestação apresentou inúmeros episódios de enjoo e mal-estar e que, por isso, não conseguia se dedicar 100% à função para a qual foi contratada. Desta forma, procurou Edna para se desculpar, mas foi surpreendida com o aviso da exoneração.

“Eu vou encaminhar um ofício. Falei isso para o senhor [vereador Rodrigo Arruda] ontem. Deixei gravado aqui e o meu gabinete vai encaminhar um ofício para que seja anexado na apuração […] Eu acredito que ela [Laura] falou a verdade e não vou deixar ela desamparada”, afirmou Maysa nesta sexta-feira (23).

Montagem/RDNews

Maisa Le�o e Michely Alencar

Quando o caso veio à tona, a Comissão de Direitos da Mulher ouviu Edna, que teria alegado que a demissão ocorreu por se tratar de uma gravidez de risco e, pensando em resguardar a servidora, optou por um acordo. A versão foi desmentida durante oitiva de Laura, quando alegou que a gravidez não é de risco e que trabalha até os dias atuais como funcionária efetiva da Secretaria Municipal de Educação.

Para Michelly, que é presidente da Comissão de Direitos da Mulher, o caso precisa ser apurado, pois as versões são contraditórias. Sendo assim, solicitou anexação de apuração do caso junto ao processo que Edna responde por suposta quebra de decoro parlamentar pelo recolhimento de verba indenizatória destinada à chefia de Gabinete. A demissão da servidora grávida resultou em indenização de R$ 70 mil em direitos trabalhistas, pagos pela Câmara de Cuiabá.

“Incluo da minha parte, não só do meu gabinete, como em nome da Comissão de Direitos da Mulher, neste processo, para que seja investigado também o caso da exoneração de uma servidora gestante, que não teve motivos comprovados, a não ser o simples fato de estar grávida”, endossou.

Presidente fará consulta

O presidente da Comissão de Ética e Decoro Parlamentar, Rodrigo Arruda e Sá (Cidadania), destacou que neste primeiro momento precisaria consultar a Procuradoria da Casa quanto à viabilidade de anexação ou necessidade de abertura de um novo processo, por se tratarem de temas distintos.

“A gente tem que apurar se é necessário incluir nesse processo ou abrir outro processo desse assunto. O importante é que a gente vai receber e a gente quer trazer a clareza desse assunto. Estamos aqui para apoiar as mulheres, os vulneráveis, que é o que a vereadora Edna faz, mas que não deu a entender pelo que foi dito pela Laura ontem”, frisou.

Quebra de Decoro

Edna Sampaio responde a processo na Comissão de Ética pelo recolhimento da verba indenizatória de sua ex-chefe de gabinete, Laura Natasha. O caso foi revelado com exclusividade pelo . Somente Laura devolveu R$ 20 mil em quatro transferências, que eram depositados para suas despesas na função, mas que foram destinadas para o “custeio do mandato”, somando-se à VI da vereadora.

Mesmo com o caso vindo à tona, a prática continuou sendo feita, conforme revelou a atual chefe de gabinete, Neusa Batista Pinto, que transferiu mais de R$ 40 mil para uma conta conjunta desde que assumiu a vaga de Laura, em janeiro deste ano.



Fonte

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *