Bioestimulantes estão ajudando cafeicultores

A cafeicultura brasileira conta com soluções agroquímicas e bioestimulantes avançados para atender às demandas estratégicas dos produtores. Essas soluções abrangem o manejo fisiológico da cultura, bem como o controle eficaz de ácaros, insetos e doenças, e fazem parte de um portfólio robusto que oferece resultados consistentes à cafeicultura.

Nesse contexto, a Sipcam Nichino Brasil se consolidou também entre as principais desenvolvedoras de tecnologias voltadas à cafeicultura. “São bioestimulantes, inseticidas, acaricidas, herbicidas e fungicidas, indicados ao manejo das plantas e ao controle de pragas e doenças cujo potencial para transferir danos ao cafeeiro é elevado”, resume o engenheiro agrônomo Sergio Camargo, consultor da Sipcam Nichino.

De acordo com o agrônomo, o amplo portfólio de produtos distribuídos para a cafeicultura tem apresentado indicadores significativos quando utilizados corretamente. Entre esses produtos, destacam-se o acaricida Fujimite 50 SC, o inseticida Trebon 100 SC e os fungicidas Brisa, Fezan Gold, Metiltiofan e Cuprozeb, juntamente com os bioestimulantes Abyss, Blackjak, Stilo Verde e Nutex Premium. Os resultados obtidos no campo têm sido associados ao uso desses produtos de alta qualidade.

O inseticida Trebon 100 SC, por sua vez, observa o consultor, “permanece reconhecido entre as tecnologias estratégicas visando o controle da broca-do-café (Hypothenemus hampei)”. A praga, ele lembra, é considerada uma das mais severas quanto ao potencial para ocasionar danos. “Testes e ensaios demonstram que Trebon 100 SC funciona logo depois de aplicado. Usado conforme orientações da empresa, proporciona controle acima de 80% da população da broca”, revela.



Fonte

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *